quarta-feira, 14 de setembro de 2016

IMPEDIMENTO: A VINGANÇA DA ELITE



 Deixei passar um pouco de tempo do final patético protagonizado pela assembléia dos anciãos da pátria que culminaram com uma “apropriação indébita” de um mandato popular sem qualquer razão plausível para que isso acontecesse, para reordenar minha mente e atinar com a verdadeira motivação para que isso acabasse ocorrendo.

 Cheguei a uma conclusão. A motivação não foi política muito menos jurídica. O que levou a maioria das excelências e cassarem o mandato da Presidenta foi VINGANÇA.Simples assim: vingança da elite que comanda as ações sociais, políticas e econômicas que vicejam no País, desde seu descobrimento. Naturalmente que deve  reconhecer-se que houve uma evolução na metodologia utilizada, mas a ambição é a mesma: dominar e fazer com que não haja nem uma pequena mudança em favor de quem não faça parte de seu clã. Os mais abastados devem continuar usufruindo de todas as riquezas desta maravilhosa terra (abençoada por Deus, dizem alguns) e o proletariado (ou o quer que o represente) deve continuar pagando a conta...e calado pelo que se vê de repressão nas ruas. O Congresso – os que recomendaram (a Câmara) e os que cassaram (o Senado) foi, apenas, mero instrumento para que essa elite repressora e retrógrada atingisse, mais uma vez, seu objetivo. Digo retrógrada porque não consegue visualizar que – se não abrir mão de nada - mais cedo ou mais tarde, vai sofrer uma derrota pela ambição desmedida que a faz acumuladora de bens cada vez mais em benefício de uns poucos privilegiados.

 Esse desejo de vingança não é de agora. Ela se revela contra os primeiros benefícios estipulados pelas leis trabalhistas, há décadas, proporcionadas por um governo popular e continua, reforçado, depois, pela eleição de um torneiro mecânico quase analfabeto para presidente. É vingança, sim, contra o fato de que 30 milhões saíram da pobreza absoluta e outros milhares puderam atingir uma universidade. Vingança contra um governo que obteve respeitabilidade a nível internacional e conseguiu pagar sua dívida externa. Depois de tudo, ainda o “populacho” comete a ousadia de eleger uma ex-guerrilheira que combateu o regime que eles apoiavam. Isso é muita afronta e não pode ser admitido que continue grassando esse nivelamento social que pode acabar eliminando a diferença que deve ser mantida entre classes socialmente desniveladas pela mãe-natureza.

 Então, quando eles votavam “sim”, estavam dizendo “não” a um mandato que, se não foi brilhante, ao menos continuou seu lento trabalho de distribuição de oportunidades para um maior número de brasileiros. Como já disseram “não” à tributação das grandes fortunas; à CPMF que não deixa ninguém fora e estabelece um controle de movimento de capitais que hoje escapam ao fisco. Disseram “não” ao financiamento do estudante de baixa renda; disseram “não” ao bolsa-família e ao Pro-Uni.  Disseram “sim” à privatização das estatais e à entrega da Petrobrás ao capital estrangeiro.

  O Congresso, neste momento, personificou tudo o que existe de entreguista e atrasado em nosso País em matéria política. Representou, brilhantemente, a elite que reina no País com plenos poderes, graças a uma mídia que solapa a informação e trama junto com essa elite sua permanência na direção de uma administração que acaba igualando nosso País a uma republiqueta qualquer onde os poderosos decidem tudo a seu bel-prazer sem qualquer preocupação com o restante da sociedade.

 Por isso, acredito que, acima de qualquer outra motivação, a causa principal deste falso Impedimento, foi o desejo de vingança da nossa elite contra o pouco que poderíamos estar alcançando em matéria de avanço social.


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

MENTIRAS

Inventam mentiras
que parecem verdades
e disseminam verdades
como se fossem mentiras.

Apresentam bondades
como se fossem más
e vestem as maldades de bem

Eles dizem que não mentem
e acreditam no que falam
mas não dizem a verdade
porque não a conhecem.
Eles não conseguem subir as encostas
onde ela se encontra.

Eles são falsos no riso e no pranto.


(Wenceslau Gonçalves/ Barcelona, 2016)

quinta-feira, 14 de julho de 2016

UM PAU FAMOSO


 Dá para dizer que, atualmente, ele é o pau mais famoso do mundo. Ele pode ser pequeno ou grande, guardadas as proporções de sua finalidade e de seu portador eventual. Ele pode ser de madeira; de ferro ou seja lá de que matéria possa existir modernamente. Suas cores variam conforme sua constituição e gosto de seu proprietário.

 É usado por muitos, independente de faixa etária. Também não faz distinção de sexo ou nacionalidade para escolher seu dono. Homem ou mulher e recebe exclamações em várias línguas. É exibido com galhardia e o que se vê é que todo o mundo sorri quando o enxerga. Em resumo, ele sempre trouxe alegria desde que foi concebido. Acho que é uma espécie de guru para alguns.

 Ele é facilmente portável. Pode ser pendurado no cinto ou carregado em uma bolsa feminina dessas que levam de tudo um pouco.

Parece que veio para ficar. Ao menos até que seja inventado um outro instrumento que possa substituí-lo com mais vantagens.

 Ao vermos sua proliferação tão rápida, chega-se a conclusão de que ele passará a ser uma necessidade em breve. E isso não deixa de nos levar a pensar que ele vai acabar com muitos contatos cordiais que acabam se formando, durante uma viagem, principalmente, após um inevitável “Pode-fazer-o-favor-de-bater-uma-de-nós?”. Da resposta poderia  acontecer um contato inicial que acabaria concretizando – quem sabe? – uma futura amizade até mesmo internacional, às vezes. Agora, não! Depois do surgimento desse pau, as pessoas já não vão ter uma desculpa para “quebrarem o gelo” em um passeio conjunto em lugar freqüentado pelos turistas.

 Em resumo, esse pau, em vez de apenas ser útil para suprir a deficiência de um aparelho que faz quase tudo (um telemóvel, por exemplo) vai acabar contribuindo ainda mais para o isolamento das pessoas, ou não? As pessoas, agora, são autossuficientes para se auto-retratarem sem terem que levar um tripé pesado e incômodo de carregar. É a tecnologia e o talento criativo aumentando os canais que proporcionam maior incomunicabilidade. Será que os que ainda não aderiram ao “pau-de-sélfi” (Estou falando dele, é claro) também já não sentiram que não podem usar o “bate pra mim” pois vão ser julgados chatos porque não se renderam ao modernismo?

 Bom, isso podem ser apenas ponderações que podem ser muito fundamento, mas já me levam a vacilar na minha crença se estamos entrando na “geração do boné” ou na “geração do pau-de-sélfi”. Deixa pra lá!...


sexta-feira, 24 de junho de 2016

ENCONTRO DA COLÔNIA JAGUARENSE

 A Colônia Jaguarense em Porto Alegre esteve reunida no dia 19 de junho, por ocasião de um almoço realizado na Galeteria Bambino. Foi a primeira reunião do ano. Em 2015, não havia sido realizado nenhum encontro porém, mesmo assim, o comparecimento foi muito aquém do esperado. Estiveram presentes,apenas, 23 conterrâneos e familiares. Os organizadores (Ana Maria, Geraldo, José Alberto de Souza e Wenceslau) deverão proceder a uma análise das causas que eventualmente poderão ter contribuído para uma tão baixa presença. Mesmo com número reduzido o clima foi, como é de praxe, da mais absoluta cordialidade e companheirismo. Foram registrado alguns flagrantes que bem comprovam nossa afirmativa. Até uma próxima!








quarta-feira, 15 de junho de 2016

A CONDENA E OUTROS CONTOS DA FRONTEIRA SUL



 No próximo dia 25 de junho (sábado), estará ocorrendo o lançamento de nosso livro "A Condena e outros contos da Fronteira Sul", conforme já havíamos anunciado em matéria anterior neste blogue.

A edição é bilíngue  (português-espanhol), numa versão cuidadosa feita pelo professor Luís Farnos.


O ato ocorrerá, a partir das 10h30min, na Ladeira Livros, situada na Rua General Câmara, 385 no Centro Histórico de Porto Alegre. Estamos em tratativas para realizar o lançamento em Jaguarão, provavelmente no final do próximo mês. Espero contar com a presença de meus conterrâneos moradores na Capital e arredores.

sábado, 4 de junho de 2016

IMPEDIMENTO É GOLPE?



  O questionamento que temos como título destas pequenas colocações que queremos fazer para alguns questionamentos sobre essa questão, tem sido tema de permanente discussão da cidadania brasileira. Alguns com maior ou menor paixão, mas todos, provavelmente, com alguma dúvida ao tomar posicionamento sobre ele. A nossa   mídia, também inquinada de “golpista” por alguns, tem usado e abusado, diariamente, de chamadas sensacionalistas que, as vezes, nem tem relação com o assunto tratado por extenso. Aliás, como costumeiramente tem feito quando exerce sua “neutralidade” informativa.

 Não há como afirmar que o Impedimento seja “golpe”, considerando que sua ocorrência está prevista constitucionalmente em nossa Carta de 1988, que é a que rege, atualmente, a sociedade brasileira, embora contenha uma série infindável de “remendos”, necessários ou não, conforme o entendimento de cada um.

 A questão, aparentemente simples de ser respondida, começa a complicar-se quando atentamos que quando alguém proclama que “Impedimento é golpe”, quer referir-se, a este caso específico que, hoje, está sendo analisado (ao menos teoricamente) pelo Senado Federal que tem a atribuição constitucional de fazê-lo.

 A grande incógnita é o que está levando ao Impedimento. Segundo uma corrente de notáveis juristas, os “crimes” apontados não são “de responsabilidade fiscal”, e não haveria fato legal para instalar-se o processo de cassação. Para outra corrente de entendidos a Presidenta cometeu essas faltas e, portanto, há motivo para Impedimento. Vamos “dar de barato” que a razão esteja com a segunda corrente e que ocorreram as faltas. Por que, então, não está sendo tratado do mesmo modo o Vice-Presidente que se utilizou, também, das mesmas práticas? Por que não foi aceita, pela Câmara, a viabilidade de Impedimento para o Vice, contra quem já existe um pedido igual  naquela Casa? Aliás, um vice que nem pode ser mais eleito porque se transformou recentemente em um “ficha-suja” pela Justiça. Ele não recebe o mesmo tratamento do Parlamento porque o seu partido tem maioria naquela Casa e o pedido já estaria, precocemente, rejeitado? E na hipótese de concretizar-se esta injustiça evidente contra a presidenta eleita, haverá pedido de cassação para os dezesseis governadores que também incorreram nas mesmas faltas? Ou eles estariam isentos porque teriam eventuais maiorias parlamentares em seus respectivos Estado?

 Concordo, ainda, com a hipótese de que o Senado ao fazer um julgamento no qual, a priori, os julgadores já possuíam decisão formada eles se transformaram em suspeitos para decidirem alguma coisa antes de que houvessem sido expostas as razões a serem apresentadas tanto pela acusação quanto pela defesa. Esse julgamento teria se transformado apenas numa disputa pelo poder que não foi obtido através das urnas, única forma legítima em um sistema democrático.

  Na falta de respostas para estes questionamentos não nos resta senão acreditar que, realmente, há uma tentativa de golpe legislativo contra a presidenta eleita, posição manifestada por diversas personalidades da área, inclusive no âmbito internacional.

 Continuaremos observando a continuidade dos fatos, esperando que nossos representantes consigam despertar para a melhor solução.


ENCONTRO DA COLÕNIA JAGUARENSE

 Após longo tempo sem realizarmos encontros, por motivos alheios a vontade do grupo organizador, estaremos realizando, neste mês, uma reunião em novo local, conforme detalhes a seguir:

DATA:         19 de junho de 2016 (domingo)
LOCAL:       Galeteria Bambino - Av. Tarso Dutra, 1105
HORÁRIO:  12h (Estacionamento gratuito)
VALOR:       R$52,00 (mais 10% sobre a despesa total)
CARDÁPIO: galeto, grelhados, massas, saladas e sobremesa

OBS: Solicitamos a gentileza de comunicar a presença para uma das pessoas, a seguir, até 15/6,  para que possa ser confirmado o número de participantes à direção da Galeteria.                                                                
                       Ana Maria/84147340-91749266
                       Geraldo/99687852-33343089
                       José Alberto/32334799
                       Wenceslau/99847379-32212851

segunda-feira, 16 de maio de 2016

A FAMÍLIA ALFABETA



Se você não sabe o que o Q e o V estão comentando, confira no link a seguir.

http://www.brasilpost.com.br/2016/05/13/ministro-fe_n_9963570.html

quarta-feira, 11 de maio de 2016

"A CONDENA E OUTROS CONTOS DA FRONTEIRA SUL"


                                               

                                         Nesta semana, tivemos a alegria de receber, recém saído do prelo ,nosso livro de contos - A Condena e outros contos da fronteira sul - que permaneceu na gaveta há tanto tempo que já nem sei quanto ...

 É uma edição bilíngue (português-espanhol) em uma ótima impressão executada pela Gráfica Pallotti e cuja edição esteve, em seus mínimos detalhes, aos cuidados do jornalista Marcelo Campos, um dedicado profissional da área, a quem agradeço publicamente neste espaço. A versão para o espanhol ficou a cargo do professor Luis María Farnos, um amigo que conheci durante o tempo em que residi em Arambaré.

 O lançamento deverá ser no mês de junho, em Porto Alegre, espero que em uma reunião da Colônia Jaguarense. Assim que for definida data, faremos a divulgação. Os lançamentos em Jaguarão e Arambaré já estão sendo viabilizados e deverão ocorrer, também, em junho.

 A concretização deste projeto foi alcançada graças a colaboração de inúmeras pessoas, a partir de minha família e amigos que participaram direta ou indiretamente desse esforço. Devo agradecimentos a tantos que seria impossível citar a todos.

 O livro já se encontra à disposição de eventuais interessados na "Ladeira Livros" (Rua General Câmara, 385 - tel. 3286.3151,Centro Histórico) e pode ser adquirido, também, através da Estante Virtual.

quinta-feira, 28 de abril de 2016

ANOTAÇÕES DE VIAGEM









 Um cruzeiro pelo Caribe foi um sonho a ser realizado um dia, sem que se soubesse quando seria possível.  A oportunidade imperdível surgiu este ano, mais precisamente em abril e foi aproveitada dentro de boas condições climáticas. Bastante sol e alta temperatura aliados ao conforto de um transatlântico apropriado para essas viagens marítimas tornaram o programa inesquecível. O roteiro foi Cartagena das Índias – Curaçao – Aruba – La Guaira (Venezuela) – Collón (Panamá) – Cartagena das Índias.

Um dos bares do navio
 Para não perder o hábito inato de “anotador” que tenho, fiz diversas anotações de
momentos e fatos que foram surgindo no decorrer da viajem. Compartilho algumas delas com os leitores.

 Cartagena das Índias – Ainda é um enclave holandês em terras americanas que tem autonomia relativa. Sua maior atração turística é protagonizada por um belíssimo e cuidado centro histórico onde se sobressai uma colorida arquitetura flamenga. A praia que visitei (ficava defronte ao hotel) não se destaca pela beleza, mas tem uma intensa participação popular com um assédio comercial muito grande, bem típico de algumas praias nordestinas.

Embarque no porto de Cartagena


Curaçao – Foi descoberta em 1499 pelos espanhóis. Outra ex-colônia holandesa, possui uma cultura mista de holandês, português, espanhol e africano. Apesar de que a Holanda seja o país predominante, o próprio nome tem origem portuguesa, que viria da palavra “coração”. Possui, também certa autonomia, tendo um presidente eleito diretamente, mas há um governador nomeado pela Holanda.  Os idiomas principais são o holandês e o papiamento, este originado de uma mistura de várias línguas
Casario de Curaçao
Arquivo Nacional
  Aruba – Em matéria de praia, entendo que é a campeã. Estivemos em Eagle Beach, um local belo e limpíssimo, com mar completamente azul, mas com pouca sombra. Aqui os preços são os mais elevados do passeio: uma barraquinha por U$20 (RS80,00) e uma cadeira por U$5(RS20,00). A maioria dos bares são dos hotéis e resortes de luxo.

 Caracas (Venezuela) – O ponto de maior destaque é o Parque de La Guaira, uma enorme mata natural que contém um interessante teleférico que sobe 2000 metros, proporcionando uma espetacular visão, incluindo uma parte de Caracas, uma cidade moderna e dinâmica, embora tenha diversas favelas superpovoadas. A presença do Governo é visível nos equipamentos públicos.
Habitação Popular
Teleférico de Caracas

  Collón (Panamá) – A eclusa de Gatun, no Canal do Panamá é um local interessante para visitas. Sua construção precisou de 10 anos para ser concluída (1880/1890). Originalmente, o Panamá foi um departamento da Colômbia. A obra tem 100 anos de uso e continua em perfeitas condições de funcionamento. É constituída de uma série de eclusas e um lago artificial que possibilita a ligação do Pacífico e do Atlântico. Por ele, transitam, principalmente, petroleiros e outros navios de transporte e recreação que pagam, em média, de U$4.000 a U$400.000 para transpô-lo.
Entrada e saída do canal

 Vida a bordo 
 Tempo - Durante a viagem os passageiros têm sua idade alterada porque há uma variação constante de horário: aumenta uma hora; atrasa meia hora e assim vai. Você  pode envelhecer e rejuvenescer de um dia para outro.

Interior do navio
 Diversão - Há uma programação contínua para todos os gostos. Desde um simples joguinho de bingo até um cassino, onde se entrega os custosos dólares porque ali ninguém ganha nunca.

 Comércio - O comércio é praticado diariamente através de diversas ofertas de artigos. É um verdadeiro centro comercial marítimo que vende desde uma camiseta até um relógio de alto valor.

 Comunicação – A comunicação com seu lugar de origem é absurdamente cara. Para usar um telefone é preciso comprar um cartão, pagando U$50 que lhe permite utilizar dez minutos de ligações. Os planos para uso da internete também têm alto valor e, na maioria das vezes, não funcionava a contento, obrigando os passageiros a só se comunicarem quando o navio estivesse atracado em algum porto.

 “Pragas” – Duas pragas principais assolam também os navios: as tradicionais ginásticas dirigidas por profissionais de educação física e as músicas “tipo tum-tum”, que infestam os ouvidos impiedosamente. Parece que há uma campanha mundial (consciente ou inconsciente) para detonar a boa música. Até acho que isso é uma ação coordenada dos “infernautas”!

 Bonés – Parece que esta moda veio para ficar. Não há faixa etária que não os use. Aliás, já vi uma pessoa com boné dentro de uma Igreja. Nos restaurantes não se tira da cabeça nem na hora da refeição.

 Na avaliação final, o resultado é positivo. Esta é uma boa maneira de aproveitar-se o tempo de lazer, servindo, também, para estabelecer-se relacionamentos até mesmo com pessoas de outras culturas e vivências.
Monarch em repouso