domingo, 4 de dezembro de 2016

O JULGAMENTO DE JANJÃO - II

 "Quais são as chances de eu ser absolvido?", perguntou Janjão, manifestando preocupação com seu destino.

 "Vai depender da gravidade de tuas faltas e dos atos de bondade que praticaste em tua vida terrena. Também dependes da disposição de alguns santos que compõem a Corte. Ela vai designar um defensor, entre eles, para servir de teu advogado. A Corte tem um presidente designado a cada dez séculos. Estás com sorte porque o atual presidente é São Francisco, que é reconhecido por ser muito complacente com os pecadores e ele tem poder de voto de minerva no caso de haver empate. Além do que, um presidente sempre tem maiores poderes do que os outros membros e influi muito nas decisões".

 "E se for condenado, posso recorrer?. A quem?".

 "Poder, pode. Deus é a última instância. Mas até hoje não houve nenhum caso em que a nossa Alta Corte fosse contrariada. Todas suas decisões têm sido homologadas pelo Criador".

 "Quanto tempo vou esperar para ter uma resposta?".

 "Tempo? Isso não existe aqui. Aliás é parecido com o que acontece lá no teu País. Não há prazo para as decisões. Aqui o tempo não conta tempo".

 Janjão não queria perder a oportunidade, mas achava que já estava incomodando São Pedro com suas questões. "Quais são os atos mais graves que podem dar em condenação?", perguntou, pensando, agora, em algumas faltas que havia praticado em vida. "Existem atenuantes?".

 A nossa Corte formou jurisprudência em julgar as intenções. Tudo depende da intenção com que uma boa ou má ação seja praticada. Assim, se alguém pratica uma ação com intenção de fazer o bem ela é contada como positiva, mesmo que o resultado não seja alguma coisa boa".

 "Não posso alegar em meu favor o que as pessoas diziam de mim?"

 "Nem a favor, nem contra. Aqui não vale a teoria do domínio do fato. As mentiras e as verdades são conhecidas igualmente. O que vale aqui é o domínio da intenção. Apesar de que...".

 "Eu errei muitas vezes, mas sempre com boas intenções. Isso vai valer, então?".

 São Pedro pensou um pouco, acariciando a longa barba com a mão esquerda e respondeu: "Na verdade, o que está acontecendo é que os processos estão trancados porque em um julgamento de um ex-membro do STF brasileiro, que morreu há algum tempo, ele propôs uma nova interpretação para o caso de que uma intenção má tenha produzido um resultado bom. Ele defende que isso seja igualmente positivo. Nunca havia acontecido uma contestação aqui e a Corte ainda não conseguiu deliberar sobre a questão. Assim, está tudo parado até que se consiga resolver o embrulho".

 "São Pedro, eu..."

 São Pedro fez-lhe um sinal de que a entrevista havia acabado, dizendo-lhe "Na fila atrás de  ti há dez mil almas querendo respostas para suas dúvidas. Volta depois para conversarmos com mais calma. O seguinte, por favor", falou, encerrando o assunto com Janjão.

 Janjão se afastou pensativo e procurou alguém com quem conversar quem sabe pelos dez séculos seguintes.

(Porto Alegre, dezembro/2016)

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

O JULGAMENTO DE JANJÃO - I

  Janjão havia morrido. Sempre vivera acertado com a vida e praticava o bem segundo os mandamentos do Senhor, transmitidos pelas igrejas que haviam se encarregado dessa tarefa. Esperava, portanto, ser recompensado na vida eterna, indo para o proclamado céu onde esperava desfrutar das delícias reservadas aos homens de bem.

 Sua alma foi transportada para um local de rara beleza lotado de outras almas, iguais a dele, que transitavam por ali em animado colóquio.

 Ele ficou, ao mesmo tempo, perplexo e curioso. Onde estaria? Aquilo seria o céu ou o inferno? Para ser o primeiro estava muito chocho. Não era o que lhe haviam descrito os entendidos em religião. Para ser o segundo, estava muita moleza. Então? Ele observou que aqueles espectros não ocupavam lugar. Muitas vezes alguém passou através dele para dirigir-se a um lugar. Ele pensou lugar, mas ficou em dúvida pois ali o que não havia era lugar no conceito terráqueo.

 Resolveu, então, interpelar algum de seus companheiros. "Onde posso falar com o responsável por este lugar?", perguntou a uma alma de porte pequeno que passava por ali. "Você procura por São Pedro?", devolveu a pergunta. "Bom, se ele é o responsável, sim". "Vire a sua esquerda e encontrará uma fila de pessoas com as mesmas intenções", respondeu-lhe e continuou a sua caminhada.

 Realmente, no local indicado havia uma longa fila. Digamos de umas 10.000 almas, olhando assim por cima. "Quando vou ser atendido com uma fila maior do que a do SUS lá na Terra?", pensou. Resolveu entrar nela e perguntou para a alma que estava na sua frente: "Quanto tempo acha que demora para chegar a nossa vez?". O perguntado olhou para ele e respondeu com ar de galhofa: "Tempo? Como assim? Isso não existe aqui", e voltou a sua conversa com a alma a sua frente.

 De fato. Assim como chegou ali, foi a sua vez de ser atendido. A pessoa - era pessoa? - que se encontrava ali representada pelo que lhe pareceu um senhor sério de longas barbas com um olhar bondoso, parecido com o que era retratado com uma chave na mão em algumas casas lá na Terra. Imaginou que seria São Pedro, mas não sabia como dirigir-se a ele. Tentou o jeito respeitoso com que se tratam os políticos ainda hoje lá embaixo. "Vossa Excelência poderia me responder onde me encontro?" O Santo o olhou com o perfil de quem pensa: Esta já é a quaquilhonésima vez que respondo esta pergunta hoje. Mais uma não vai fazer diferença.

 Respondeu, então, com uma expressão paternal: "Filho, tu estás na Suprema Corte da Eternidade. Pela tua vida reta e pelas poucas falhas que cometeste na Terra tiveste direito a um julgamento..." Ele se apressou a dizer: "Posso ser absolvido ou condenado, então? Por quem vou ser julgado?". São Pedro respondeu: "Podes ser absolvido ou condenado. Vais ser julgado por uma Corte designada por Deus a cada dez séculos, composta de treze santos que julga os humanos que cometem faltas na Terra passíveis de serem perdoadas pelo Criador".   (continua)

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

À MODA ANTIGA

 Retornando às atividades, depois de um intervalo ocioso e para começar bem o mês de novembro, vai um soneto à moda antiga, daqueles que os namorados colocavam no "álbum das amadas" para serem lembrados "para sempre".

A VOLTA

Corri abrir a porta. Ela voltou.
Entrou em nossa sala de repente
e, sem mesmo dizer por onde andou,
olhou tudo de maneira diferente.

Trouxe um vestido branco e feio,
e a mesma mala antiga, com defeito.
Até um livro chato que nem leio
e o sorriso aquele do seu jeito.

Tendo tudo ao seu normal voltado,
cada coisa em seu lugar e eu sigo
não querendo saber do seu passado

Ela volta assim para seu meio
trazendo a alegria que levou consigo
mas sinto que sua alma`inda não veio.

Wenceslau Gonçalves
agosto/2016

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

IMPEDIMENTO: A VINGANÇA DA ELITE



 Deixei passar um pouco de tempo do final patético protagonizado pela assembléia dos anciãos da pátria que culminaram com uma “apropriação indébita” de um mandato popular sem qualquer razão plausível para que isso acontecesse, para reordenar minha mente e atinar com a verdadeira motivação para que isso acabasse ocorrendo.

 Cheguei a uma conclusão. A motivação não foi política muito menos jurídica. O que levou a maioria das excelências e cassarem o mandato da Presidenta foi VINGANÇA.Simples assim: vingança da elite que comanda as ações sociais, políticas e econômicas que vicejam no País, desde seu descobrimento. Naturalmente que deve  reconhecer-se que houve uma evolução na metodologia utilizada, mas a ambição é a mesma: dominar e fazer com que não haja nem uma pequena mudança em favor de quem não faça parte de seu clã. Os mais abastados devem continuar usufruindo de todas as riquezas desta maravilhosa terra (abençoada por Deus, dizem alguns) e o proletariado (ou o quer que o represente) deve continuar pagando a conta...e calado pelo que se vê de repressão nas ruas. O Congresso – os que recomendaram (a Câmara) e os que cassaram (o Senado) foi, apenas, mero instrumento para que essa elite repressora e retrógrada atingisse, mais uma vez, seu objetivo. Digo retrógrada porque não consegue visualizar que – se não abrir mão de nada - mais cedo ou mais tarde, vai sofrer uma derrota pela ambição desmedida que a faz acumuladora de bens cada vez mais em benefício de uns poucos privilegiados.

 Esse desejo de vingança não é de agora. Ela se revela contra os primeiros benefícios estipulados pelas leis trabalhistas, há décadas, proporcionadas por um governo popular e continua, reforçado, depois, pela eleição de um torneiro mecânico quase analfabeto para presidente. É vingança, sim, contra o fato de que 30 milhões saíram da pobreza absoluta e outros milhares puderam atingir uma universidade. Vingança contra um governo que obteve respeitabilidade a nível internacional e conseguiu pagar sua dívida externa. Depois de tudo, ainda o “populacho” comete a ousadia de eleger uma ex-guerrilheira que combateu o regime que eles apoiavam. Isso é muita afronta e não pode ser admitido que continue grassando esse nivelamento social que pode acabar eliminando a diferença que deve ser mantida entre classes socialmente desniveladas pela mãe-natureza.

 Então, quando eles votavam “sim”, estavam dizendo “não” a um mandato que, se não foi brilhante, ao menos continuou seu lento trabalho de distribuição de oportunidades para um maior número de brasileiros. Como já disseram “não” à tributação das grandes fortunas; à CPMF que não deixa ninguém fora e estabelece um controle de movimento de capitais que hoje escapam ao fisco. Disseram “não” ao financiamento do estudante de baixa renda; disseram “não” ao bolsa-família e ao Pro-Uni.  Disseram “sim” à privatização das estatais e à entrega da Petrobrás ao capital estrangeiro.

  O Congresso, neste momento, personificou tudo o que existe de entreguista e atrasado em nosso País em matéria política. Representou, brilhantemente, a elite que reina no País com plenos poderes, graças a uma mídia que solapa a informação e trama junto com essa elite sua permanência na direção de uma administração que acaba igualando nosso País a uma republiqueta qualquer onde os poderosos decidem tudo a seu bel-prazer sem qualquer preocupação com o restante da sociedade.

 Por isso, acredito que, acima de qualquer outra motivação, a causa principal deste falso Impedimento, foi o desejo de vingança da nossa elite contra o pouco que poderíamos estar alcançando em matéria de avanço social.


quinta-feira, 11 de agosto de 2016

MENTIRAS

Inventam mentiras
que parecem verdades
e disseminam verdades
como se fossem mentiras.

Apresentam bondades
como se fossem más
e vestem as maldades de bem

Eles dizem que não mentem
e acreditam no que falam
mas não dizem a verdade
porque não a conhecem.
Eles não conseguem subir as encostas
onde ela se encontra.

Eles são falsos no riso e no pranto.


(Wenceslau Gonçalves/ Barcelona, 2016)

quinta-feira, 14 de julho de 2016

UM PAU FAMOSO


 Dá para dizer que, atualmente, ele é o pau mais famoso do mundo. Ele pode ser pequeno ou grande, guardadas as proporções de sua finalidade e de seu portador eventual. Ele pode ser de madeira; de ferro ou seja lá de que matéria possa existir modernamente. Suas cores variam conforme sua constituição e gosto de seu proprietário.

 É usado por muitos, independente de faixa etária. Também não faz distinção de sexo ou nacionalidade para escolher seu dono. Homem ou mulher e recebe exclamações em várias línguas. É exibido com galhardia e o que se vê é que todo o mundo sorri quando o enxerga. Em resumo, ele sempre trouxe alegria desde que foi concebido. Acho que é uma espécie de guru para alguns.

 Ele é facilmente portável. Pode ser pendurado no cinto ou carregado em uma bolsa feminina dessas que levam de tudo um pouco.

Parece que veio para ficar. Ao menos até que seja inventado um outro instrumento que possa substituí-lo com mais vantagens.

 Ao vermos sua proliferação tão rápida, chega-se a conclusão de que ele passará a ser uma necessidade em breve. E isso não deixa de nos levar a pensar que ele vai acabar com muitos contatos cordiais que acabam se formando, durante uma viagem, principalmente, após um inevitável “Pode-fazer-o-favor-de-bater-uma-de-nós?”. Da resposta poderia  acontecer um contato inicial que acabaria concretizando – quem sabe? – uma futura amizade até mesmo internacional, às vezes. Agora, não! Depois do surgimento desse pau, as pessoas já não vão ter uma desculpa para “quebrarem o gelo” em um passeio conjunto em lugar freqüentado pelos turistas.

 Em resumo, esse pau, em vez de apenas ser útil para suprir a deficiência de um aparelho que faz quase tudo (um telemóvel, por exemplo) vai acabar contribuindo ainda mais para o isolamento das pessoas, ou não? As pessoas, agora, são autossuficientes para se auto-retratarem sem terem que levar um tripé pesado e incômodo de carregar. É a tecnologia e o talento criativo aumentando os canais que proporcionam maior incomunicabilidade. Será que os que ainda não aderiram ao “pau-de-sélfi” (Estou falando dele, é claro) também já não sentiram que não podem usar o “bate pra mim” pois vão ser julgados chatos porque não se renderam ao modernismo?

 Bom, isso podem ser apenas ponderações que podem ser muito fundamento, mas já me levam a vacilar na minha crença se estamos entrando na “geração do boné” ou na “geração do pau-de-sélfi”. Deixa pra lá!...


sexta-feira, 24 de junho de 2016

ENCONTRO DA COLÔNIA JAGUARENSE

 A Colônia Jaguarense em Porto Alegre esteve reunida no dia 19 de junho, por ocasião de um almoço realizado na Galeteria Bambino. Foi a primeira reunião do ano. Em 2015, não havia sido realizado nenhum encontro porém, mesmo assim, o comparecimento foi muito aquém do esperado. Estiveram presentes,apenas, 23 conterrâneos e familiares. Os organizadores (Ana Maria, Geraldo, José Alberto de Souza e Wenceslau) deverão proceder a uma análise das causas que eventualmente poderão ter contribuído para uma tão baixa presença. Mesmo com número reduzido o clima foi, como é de praxe, da mais absoluta cordialidade e companheirismo. Foram registrado alguns flagrantes que bem comprovam nossa afirmativa. Até uma próxima!








quarta-feira, 15 de junho de 2016

A CONDENA E OUTROS CONTOS DA FRONTEIRA SUL



 No próximo dia 25 de junho (sábado), estará ocorrendo o lançamento de nosso livro "A Condena e outros contos da Fronteira Sul", conforme já havíamos anunciado em matéria anterior neste blogue.

A edição é bilíngue  (português-espanhol), numa versão cuidadosa feita pelo professor Luís Farnos.


O ato ocorrerá, a partir das 10h30min, na Ladeira Livros, situada na Rua General Câmara, 385 no Centro Histórico de Porto Alegre. Estamos em tratativas para realizar o lançamento em Jaguarão, provavelmente no final do próximo mês. Espero contar com a presença de meus conterrâneos moradores na Capital e arredores.

sábado, 4 de junho de 2016

IMPEDIMENTO É GOLPE?



  O questionamento que temos como título destas pequenas colocações que queremos fazer para alguns questionamentos sobre essa questão, tem sido tema de permanente discussão da cidadania brasileira. Alguns com maior ou menor paixão, mas todos, provavelmente, com alguma dúvida ao tomar posicionamento sobre ele. A nossa   mídia, também inquinada de “golpista” por alguns, tem usado e abusado, diariamente, de chamadas sensacionalistas que, as vezes, nem tem relação com o assunto tratado por extenso. Aliás, como costumeiramente tem feito quando exerce sua “neutralidade” informativa.

 Não há como afirmar que o Impedimento seja “golpe”, considerando que sua ocorrência está prevista constitucionalmente em nossa Carta de 1988, que é a que rege, atualmente, a sociedade brasileira, embora contenha uma série infindável de “remendos”, necessários ou não, conforme o entendimento de cada um.

 A questão, aparentemente simples de ser respondida, começa a complicar-se quando atentamos que quando alguém proclama que “Impedimento é golpe”, quer referir-se, a este caso específico que, hoje, está sendo analisado (ao menos teoricamente) pelo Senado Federal que tem a atribuição constitucional de fazê-lo.

 A grande incógnita é o que está levando ao Impedimento. Segundo uma corrente de notáveis juristas, os “crimes” apontados não são “de responsabilidade fiscal”, e não haveria fato legal para instalar-se o processo de cassação. Para outra corrente de entendidos a Presidenta cometeu essas faltas e, portanto, há motivo para Impedimento. Vamos “dar de barato” que a razão esteja com a segunda corrente e que ocorreram as faltas. Por que, então, não está sendo tratado do mesmo modo o Vice-Presidente que se utilizou, também, das mesmas práticas? Por que não foi aceita, pela Câmara, a viabilidade de Impedimento para o Vice, contra quem já existe um pedido igual  naquela Casa? Aliás, um vice que nem pode ser mais eleito porque se transformou recentemente em um “ficha-suja” pela Justiça. Ele não recebe o mesmo tratamento do Parlamento porque o seu partido tem maioria naquela Casa e o pedido já estaria, precocemente, rejeitado? E na hipótese de concretizar-se esta injustiça evidente contra a presidenta eleita, haverá pedido de cassação para os dezesseis governadores que também incorreram nas mesmas faltas? Ou eles estariam isentos porque teriam eventuais maiorias parlamentares em seus respectivos Estado?

 Concordo, ainda, com a hipótese de que o Senado ao fazer um julgamento no qual, a priori, os julgadores já possuíam decisão formada eles se transformaram em suspeitos para decidirem alguma coisa antes de que houvessem sido expostas as razões a serem apresentadas tanto pela acusação quanto pela defesa. Esse julgamento teria se transformado apenas numa disputa pelo poder que não foi obtido através das urnas, única forma legítima em um sistema democrático.

  Na falta de respostas para estes questionamentos não nos resta senão acreditar que, realmente, há uma tentativa de golpe legislativo contra a presidenta eleita, posição manifestada por diversas personalidades da área, inclusive no âmbito internacional.

 Continuaremos observando a continuidade dos fatos, esperando que nossos representantes consigam despertar para a melhor solução.


ENCONTRO DA COLÕNIA JAGUARENSE

 Após longo tempo sem realizarmos encontros, por motivos alheios a vontade do grupo organizador, estaremos realizando, neste mês, uma reunião em novo local, conforme detalhes a seguir:

DATA:         19 de junho de 2016 (domingo)
LOCAL:       Galeteria Bambino - Av. Tarso Dutra, 1105
HORÁRIO:  12h (Estacionamento gratuito)
VALOR:       R$52,00 (mais 10% sobre a despesa total)
CARDÁPIO: galeto, grelhados, massas, saladas e sobremesa

OBS: Solicitamos a gentileza de comunicar a presença para uma das pessoas, a seguir, até 15/6,  para que possa ser confirmado o número de participantes à direção da Galeteria.                                                                
                       Ana Maria/84147340-91749266
                       Geraldo/99687852-33343089
                       José Alberto/32334799
                       Wenceslau/99847379-32212851